Mulheres em Kathmandu
Mulheres em Kathmandu

A ida ao Nepal foi em Dezembro de 1988.
É uma das viagens inesquecíveis.

Olá – kistá, (em tharu) Namasté
Como está? – Kastousa
Obrigado – Anibar
Por favor – kirpaiá
Rinoceronte – (em tharu) – ghaira

O inicio da viagem já dá para entender que ia ser uma longa aventura.


Em Hong Kong duas nepalesas, já de idade, sentaram-se ao nosso lado. 
Apesar do calor, as mulheres tinham vestidas, pelo menos, quatro camisolas de lã grossa. Só o ar asfixiado do avião as levou a tirar algum vestuário.

Depois destes preparativos arranjaram um adorno, um cordão que atravessava a orelha e era preso no nariz. 

A juntar a tudo isto, a tripulação proibia a colocação de bagagem de mão nas prateleiras. 
Como os nepaleses levavam inúmeros sacos e caixotes de papelão, tinham de os colocar entre os bancos. 
As mulheres que seguiam ao nosso lado tinham todo o espaço ocupado e tiveram de fazer a viagem com as pernas dobradas em cima dos volumes. 

Para mim foi uma surpresa.
Mais fatalistas foram outros dois turistas que, apesar do avião já ter as portas fechadas, após vários berros, a tripulação suspendeu a partida. Os turistas alegavam falta de condições de segurança. Abandonaram o aparelho. Eram capaz de ter razão.
Após algumas horas de voo e sofrimento, chegámos a Kathmandu.

O aeroporto parecia uma estação rodoviária da província. 
Num balcão de madeira teve de se pagar 10$USD para ter o visto de entrada.


A chegada foi de noite e o aeroporto estava cheio de turistas ocidentais.


A reserva do hotel já estava feita. Fomos para o
Mount Makalu e o transporte foi num táxi que já devia ter mais de 50 anos.


O hotel Makalu também não era novo. Na altura o serviço deixava muito a desejar. Tinha uma piscina mas com o
tempo que estava era mais útil uma lareira. 
O Makalu não era barato e ficava longe do centro da cidade.

 

 

 

 

Kathmandu
Kathmandu

O dia seguinte foi um longo passeio na zona histórica de Kathmandu.

Regressámos um século atrás. Pena uma estupidez (valia mais não a contar) ter inviabilizado o registo desta surpresa – carreguei mais de 30 vezes no botão da máquina fotográfica. Estranho. O rolo era de 22 fotogramas. Pois é. Esqueci de colocar o filme.


São ruas estreitas cheias de gente, de lixo e quase tudo com ar degradado.
As casas têm um a dois andares. O rés-do-chão é muito pequeno. Alguns são pequenas lojas de produtos agrícolas ou de artesãos.

Kathmandu
Kathmandu

As casas eram feitas de madeira ou de pequenos tijolos avermelhados.

As praças estavam cheias de gente.

 Nos largos havia vendedores ambulantes de frutas e souvenirs. 
Nas esquinas vendia-se haxixe e ópio.


Além dos nepaleses encontravam-se muito ocidentais. 
A maioria com aparência de hippies. Estavam por todo o lado. Nas praças, ruas estreitas e nos hotéis mais baratos.

Em alguns pontos de maior interesse turístico também havia muitas bancas a vender artesanato do Nepal e do Tibete.

Marcado aoar livre
Mercado ao ar livre na praça Durbar

Fora da China, este era o único ponto de passagem para os produtos tibetanos. Um desses produtos eram quadros pintados minuciosamente. Com figuras religiosas muito pequenas e em tons predominantemente dourados.


Nos grandes hotéis, mais caros, é também frequente a venda de artesanato. De outros países desta região.
Comprámos um tapete de Kashmir por 50 $USD. Tinham pedido o dobro,  para ir embora, porque só queria ter uma ideia do preço, regateei com este valor. O vendedor aceitou e tive de o comprar. 


A maior parte destes hotéis ficavam na zona mais moderna da cidade que é praticamente dividida pelo rio Bishnumati.

Ghantagar
Ghantagar

Do outro lado do rio fica a Ghantaghar Clock Tower e o Kathmandu Durbar Square, considerado património mundial pela UNESCO.
A Ghantaghar Clock Tower, significa casa das horas, é um edifício histórico em Kathmandu. Foi a primeira torre com um relógio.
A torre actual foi reconstruida após o terramoto de 1990.

O Kathmandu Durbar Square era uma área extensa, cheia de pequenas construções, praças, ruas estreitas, mercados e templos. Os lugares religiosos estão em quase todos em largos e são budistas ou hindus..

Figuras alusivas a cada uma destas religiões encontravam-se em vários locais dos templos, como também altares onde são colocadas oferendas e pivetes.


Patan
Patan

Em Kathmandu havia um número significativo destes templos.
No entanto, do que vimos, talvez a maior concentração de templos fosse no distrito de Lalitpur, em particular na cidade de Patan.
Fica a cinco quilómetros de Kathmandu e a zona histórica da Praça Darbar  (ou Darbar Hanuman Dhoka ) faz também parte da lista de património mundial.
Nesta praça havia inúmeros templos.

Yoganarendra Malla's Column
Yoganarendra Malla's Column

Na zona onde estava o museu  e três templos Vishnu, destacava-se a Yoganarendra Malla's Column.
Um pilar muito alto e em cima estava uma estátua em bronze do o rei Yoganarendra Malla (1684–1705) com uma cobra atrás e várias aves.

Toda esta zona é muito antiga.
Ao longo de uma rua surgia uma outra.
Mais estreita que conduzia a um amplo espaço com algumas ruínas, pequenos templos, crianças a brincar e depois observavam atentamente as câmaras fotográficas dos turistas.

Patan
Patan

Uns metros mais à frente, um tanque onde mulheres lavavam roupa.
Na  praça Darbar  o ambiente era diferente.
Havia mais turistas e as crianças aproveitavam para captar a atenção e uma gorjeta.
Uma delas, convencida que eramos espanhóis, citou meia dúzia de cidades espanholas. Fantástico.
Uma outra particularidade desta zona mais procurada pelos turistas é que estava repleta de pontos de venda de artesanato, essencialmente em cobre.

Em Patan, como também em Kathmandu, havia muitas vacas a circular livremente nas estradas.
Por vezes os policias eram obrigados a parar o trânsito nos cruzamentos e dar algumas palmadas nas vacas para elas passarem depressa.

Kathmandu
Kathmandu

Kathmandu tinha, em 1988, muitos carros mas não de forma a provocar longas filas de trânsito.

Um outro meio de transporte, largamente utilizado, era a bicicleta.

Onde se notou menos o efeito do trânsito e da forte densidade populacional de Kathmandu foi nas zonas novas.
Eram espaços abertos, com árvores e estradas mais largas.
É aqui que fica o Palácio de Narayanhity. No fim da Darbar Marg, uma das vias principais.
Era a residência do rei cuja fotografia se encontrava espalhada pelas paredes oficiais e também em casas particulares.
Após grandes convulsões politicas  o governo foi destituído, o Partido Comunista (maoísta) tornou-se a maior força partidária, a monarquia foi abolida e em 2008 realizaram-se eleições presidenciais

Palácio de Narayanhity
Palácio de Narayanhity

O palácio era um edifício grande, desenhado como um pagode oriental, com jardins e, além de cercado, era fortemente policiado.
O Palácio de Narayanhity fica também na história do Nepal quando, em 2001, o herdeiro do trono, o príncipe Dipendra, matou os pais e mais seis pessoas e suicidou-se de seguida.

É neste quarteirão que se encontrava um grande número de agências de viagens. Tinham uma oferta muito variada.
Visitas a locais próximos de Kathmandu, preparação e organização de viagens até aos Himalaias onde muitos turistas fazem trekking  na companhia dos sherpas
.
A preparação destas viagens demora alguns dias. Tem de haver tempo e uma preparação prévia.
Para quem não quer ir aos Himalaias, pode ver o por do sol com os Himalaias em fundo.

Preço da excursão
Recibo da excursão

Foi o que fizemos. Fomos até Nagarkot ver o por do sol no Evereste.
Os 32 km de distancia foram cansativos. Muitos buracos na estrada e o caminho foi a serpentear as montanhas. 
Se por um lado a viagem era cansativa, por outro lado, revelou uma visão mais concreta do dia a dia dos nepaleses.
As povoações aqui eram mais pobres, sujas e o povo ficava no campo ou na estrada a ver passar os turistas.
Em Nagarkot tivemos de fazer uma caminhada. Até ao ponto mais alto que fica a 2,175 metros de altitude.
Sentia-se o efeito da pressão e do frio. O que não deu foi ver o cume do Evereste devido ao nevoeiro.
A montanha era uma torre de babel. Observámos os Himalaias durante alguns minutos, com o por do sol.. Apesar do nevoeiro o efeito foi espectacular.. Os olhos tinham dificuldade em acompanhar a profundidade de campo.

Restaurante em Nagarkot
Restaurante em Nagarkot

A vastidão do horizonte ao mesmo tempo que se sentia um vazio, um esquecimento, com o silêncio por vezes interrompido com o silvar do vento
Ao fim de algum tempo ficou desagradável. Gélido.
Descemos o monte e fomos a um restaurante/hostel com dois quartos. Tomar chá. Devido ao negro dos copos não chegámos a beber.

Pode parecer ridículo mas nunca fomos a um restaurante de rua. A falta de confiança levou-nos sempre a restaurantes de hotéis.
O do Makulu não era muito bom mas, passados os dois dias do voucher, mudámos de hotel.

Ambassador Hotel
Ambassador Hotel

Após muito procurar, fomos parar ao norte da cidade, próximo do Palácio, ao hotel Ambassador.
Além de ficar melhor situado, era hospitaleiro e com uma excelente relação qualidade/preço. Tinha (e ainda tem) um jardim e era muito mais asseado. No primeiro dia fomos recebidos por uma barata no quarto. Foi apenas para dar as boas vindas.
No restaurante do hotel provámos vários pratos, a várias horas do dia. A única dificuldade é que eram muito picantes. Tomei nota do Masu Ra Bhat: galinha com caril, verdura com caril mais picante, batatas com tomate e couve flor em caril, arroz branco com ovo estrelado, dhal (molho de lentilhas com salsa e caril) e, por último salada de rabanetes, cenoura, tomate e cebola.
Nesta refeição a sobremesa foi iogurte com canela e raspa de limão. Saboroso.